Neste episódio da série de webcasts do International Resource Panel (IRP): O que o futuro global reserva, o IRP convidou Facundo Alvaredo, professor da Escola de Economia de Paris e os votos de École des Hautes Études en Sciences Sociales para discutir o que vê no horizonte em termos de futuro da “Desigualdade de Riqueza e Renda”. Ele falou sobre os principais riscos e oportunidades e como os riscos podem ser gerenciados e as oportunidades alcançadas. O webcast incluiu uma palestra e uma sessão de perguntas e respostas.

A gravação do webcast não está disponível. Você pode encontrar Facundo Alfredo's slides de apresentação SUA PARTICIPAÇÃO FAZ A DIFERENÇA.

Pontos principais do webcast
Explicando padrões históricos na distribuição de riqueza

Desde os anos de 2010 a 2015, o interesse pela distribuição da riqueza e a desigualdade de riqueza ressurgiram. As razões para isso incluem:

  1. O crescente reconhecimento de que precisamos olhar para a renda do capital e não apenas para a renda; (O fato de que os EUA e a Europa Ocidental experimentam grandes disparidades de desigualdade, mas mostram padrões completamente diferentes em termos de tendências de concentração de renda ilustra este ponto)

  2. A riqueza pessoal média no mundo desenvolvido aumentou substancialmente desde os anos 1980 (isto é particularmente impulsionado pelo aumento dos preços imobiliários, bem como pela transferência da riqueza pública para o setor privado e pelo aumento nos preços das ações dessa riqueza transferida); e

  3. A proporção entre a riqueza privada e a renda tem aumentado, enquanto a proporção entre a riqueza pública e a renda vem diminuindo.

Alvaredo destacou que, embora os dados permaneçam limitados para os países em desenvolvimento, as estatísticas da maioria dos países desenvolvidos mostram lacunas de desigualdade ampliadas. A participação da riqueza nos maiores percentis da distribuição de riqueza tem aumentado desde 1980 em muitos países. Além disso, a composição dos ativos varia entre os grupos de riqueza: os 10% mais pobres, as classes médias e os 5% mais ricos, possuindo, respectivamente, principalmente depósitos, ativos imobiliários e ativos financeiros.

Como atualmente falhamos em lidar com a desigualdade de riqueza

Desde o final do 19th Século, a maioria dos cientistas sociais abandonou sua obrigação de pensar e trabalhar em termos de uma teoria geral. Em vez disso, eles foram presos por doutrinas - tanto da direita quanto da esquerda - que refletem as ideologias capitalistas. Essas doutrinas não buscam nem são capazes de abordar o todo, deixando-nos com a sensação de não compreender o presente. Alvaredo explica como criamos soluções rápidas e simples para resolver enormes problemas que, na verdade, exigem transformações sociais e mudanças sistemáticas radicais.

Por exemplo, embora a ideia de tributar os ricos pudesse preencher a lacuna de desigualdade até certo ponto, ela não a supera. De fato, o passado prova como tais medidas políticas são insuficientes para enfrentar a desigualdade de riqueza que hoje prevalece tanto nos países desenvolvidos quanto nos países em desenvolvimento. Da mesma forma, como os ricos são geralmente considerados como emissores e poluidores de carbono mais pesados ​​do que os pobres, presume-se que, ao reduzir a desigualdade de riqueza, também reduzimos a degradação ambiental, melhorando assim a sociedade e o meio ambiente. No entanto, Alfredo afirma que soluções simples como a cobrança de impostos para fins redistributivos fazem parte da discussão do passado, e não do futuro que deve envolver uma transformação social.

Suposições erradas

Alvaredo explica ainda como tendemos a supor que nosso sistema atual não tem os meios para se proteger e que precisamos de uma entidade, como o estado, para intervir e proteger nossos interesses. De fato, as demandas são feitas ao setor público, por meio de petições, por exemplo, como se fossem capazes de fornecer soluções. No entanto, Alvaredo sugere que, considerando que o Estado é parte do sistema capitalista e não externo a ele, é errado confiar nele. Ele justifica isso mencionando a lacuna entre nossas expectativas e as realidades das ações e medidas políticas do Estado para lidar com a desigualdade de riqueza e a proteção ambiental.

A necessidade de compreender a máquina do capitalismo

Diante dos desafios ambientais e sociais, sentimos a necessidade de agir, mas sem a teoria adequada não teremos instrumentos de política adequados para tanto. Em outras palavras, se não entendemos o mecanismo, não podemos entender o sistema, o que, por sua vez, significa que nossas ações políticas podem falhar.

Alvaredo explica como o estado atual das ciências da economia, sociologia e antropologia não nos fornece as ferramentas para compreender os desafios do presente. A responsabilidade, portanto, recai sobre as gerações atuais para construir e desenvolver uma teoria para os desafios sociais e ambientais contemporâneos.

Ele mergulha ainda mais no conceito de centralização com desacumulação, no qual discute o estudo de caso da produção de soja. Enquanto há oitenta anos as sementes eram bens quase públicos disponíveis para usos sucessivos; hoje, 70% do mercado mundial de sementes é controlado por um punhado de Gene Giants que impõem todas as condições, como o que e onde produzir, quem é o fornecedor local de sementes e quais serão as empresas exportadoras. A mesma situação de ter uma parte da transação fazendo e impondo todas as condições também se aplica a empresas farmacêuticas (por exemplo, no contexto de lançamentos de vacinas COVID), bem como a grandes empresas florestais (por exemplo, no contexto de desmatamento no Brasil, como indicado pela copresidente do IRP, Izabella Teixeira, que moderou a sessão).

Por meio desse estudo de caso, que inclui múltiplos setores relevantes, Alvaredo destaca que é fundamental nos perguntarmos qual é o conceito de bem e de riqueza. Além de examinar quantitativamente se os ativos estão nas mãos de um indivíduo ou de uma empresa, devemos entender o conflito de 'quem planeja quem' - o estudo de caso destaca a importância desta dimensão considerando que os indivíduos não eram capazes de tomar decisões mesmo em seu próprio capital. Portanto, Alvaredo defende que, embora devamos taxar os ricos e discutir a distribuição dos ativos, o verdadeiro problema está no fato de que as decisões estão sendo tomadas pelo capital de topo (independentemente do tamanho) na hierarquia dos capitais e uma teoria geral é necessário compreender sua essência.

O orador - Facundo Alvaredo

Facundo Alvaredo é professor da Escola de Economia de Paris e os votos de École des Hautes Études en Sciences Sociales, Co-Diretor do Banco de dados de desigualdade mundial (anteriormente, The World Top Incomes Database, que ele criou em 2011) e o Laboratório Mundial da Desigualdade, Pesquisador Sênior do INET @ Oxford e Pesquisador do IIEP-UBA-Conicet. Ele obteve o doutorado em Economia pela École des Hautes Études en Sciences Sociales e um diploma de graduação em Economia pela Universidade de Buenos Aires. Ele concentra seus interesses de pesquisa nas áreas de economia pública, a desigualdade de renda e riqueza, a história econômica do capitalismo e o projeto de economia política clássica. Ele publicou seu trabalho no Journal of Public Economics, no Journal of Development Economics, no Journal of Economic Perspectives, no Journal of the European Economic Association, na Review of Income and Wealth, no Journal of Economic Inequality, etc. No passado , foi economista da Comissão das Nações Unidas para a América Latina e o Caribe e do Instituto Nacional de Estatística da Argentina, além de Pesquisador do Nuffield College, Oxford.

Sua pesquisa atual busca mostrar que apenas a continuação do projeto de Economia Política ainda adormecido, ou seja, a disciplina que abraça o capitalismo e sua história como objeto de estudo, oferece as chaves para compreender os desafios do presente histórico, que incluem a desigualdade e as mudanças climáticas, mas onde o conflito principal é quem planeja quem. Isso impõe uma revisão crítica da dicotomia entre a sociedade civil e a sociedade política herdada do Iluminismo, uma ilusão que vive hoje através da ficção do Estado como a esfera do bem comum que deveria e poderia domar o capital e fomentar o desenvolvimento por meio de um parlamento devidamente avaliado. decidiram políticas públicas. 

Saiba mais sobre a série de webcasts do IRP: O que o futuro global reserva?